Treino na praia

A ansiedade e o peso corporal.



A ansiedade é um mecanismo biológico adaptativo, útil para garantir a nossa sobrevivência. Ela é uma reação do nosso corpo que surge quando nos encontramos em situações de mudança ou ameaça. Foi moldada ao longo da nossa evolução para enfrentarmos situações difíceis, como falar em público, expectativa para datas importantes, entrevistas de emprego, vésperas de provas, exames de saúde entre outras. Como pode reparar nos exemplos anteriores ela está relacionada com uma preocupação com o futuro, o que causar nervosismo, medo, apreensão.

Existem alguns sintomas relacionados a ansiedade:

1- Enxergar perigo em tudo.

A ansiedade pode fazer com que indivíduos superestimem o perigo em situações que eles temem ou evitam. Exemplo: pessoas que não viajam de avião por medo de que ele caia. Eles ja imaginaram e fantasiaram essa situação na cabeça delas e por alimentar esse pensamento ruim a ansiedade vai somando. A sindrome do pânico surge muitas vezes aí. A pessoa imagina uma situação ruim que ela não tem o menor controle

2- Assaltar a geladeira ou compulsão por doces.

Você é daquelas pessoas que ao primeiro sinal de estresse ou preocupação, descontam na comida? Pode ser doce, coxinha, pizza. Pessoas buscam aliviar a tensão em alimentos e tendem a comer rápido e em grandes quantidades. Aí reside o problema. Quando comemos rápido não damos tempo ao corpo de absorver os nutrientes.

O estômago leva cerca de 20 minutos após estar saciado para nos dar o aviso de que "não quer mais comer", por isso quem come muito rápido, não presta atenção nos alimentos que ingere, come mais e tem uma tendência maior de engordar.

Todo hábito compulsivo é rápido. Comer rápido sem respirar, engolindo quase tudo inteiro, o organismo não tem como assimilar adequadamente o que se ingere e a consequência disso é o acúmulo de gordura. Um hábito também nocivo dos ansiosos é mastigar chicletes durante horas, essa mastigação estimula a produção das enzimas digestivas, mas como não há alimentos para digerir, esse excesso de ácido pode começar a corroer a mucosa do estômago criando uma úlcera.

3- Alterações no sono

Se você não consegue desconectar a sua mente das preocupações do dia a dia e dos afazeres, a noite, provavelmete terá insônia ou dificuldade para pegar no sono. Algumas pessoas tem o péssimo hábito de acordar de madrugada e acessarem o telefone. O problema é que a luz do celular é responsável por te despertar e te deixar alerta, sendo mais difícil de voltar a dormir.

4- Sofrer com tensão muscular

Está sempre com dores nas costas, ombros e nuca. Seus  músculos do pescoço estão travados e a dor é tanta que mal dá para virar de lado? Essa tensão muscular, quase constante, geralmente acompanha os transtornos de ansiedade. Quanto maior a preocupação e o desânimo, maior a possibilidade de transferir as tensões para a região cervical. 

5- Conviver com medos irracionais

Medos de estar perdendo alguma coisa, de não ser bom o suficiente, medo do fracasso, pânico de ficar sozinho ou de não ser aceito também perseguem pessoas ansiosas. Campeões de autocrítica, são os primeiros  a não  se sentir capazes o suficiente para concluir uma determinada atividade. O excesso de medo pode comprometer a segurança nas relações pessoais, seja no trabalho ou na família.

6- Sintomas físicos

Em momentos de ansiedade, podem surgir sintomas físicos como tremores, cansaço fácil, sensação de falta de ar ou asfixia, coração acelerado, suor excessivo, mãos frias e suadas, boca seca, tontura, náuseas, diarreia, desconforto abdominal, ondas de calor, calafrios, micção frequente, dificuldade para engolir, sensação de engasgo, entre outros.

7- Pensamento obsesivo

O pensamento obsessivo é uma incapacidade de ganhar controle sobre pensamentos e imagens, angustiantes e recorrentes. Estudos de imagem cerebral indicam que está associado a uma disfunção neurológica de causa desconhecida que força os pensamentos em ciclos repetitivos.

Dessa forma, o pensamento obsessivo também pode estar associado a transtornos do humor, incluindo depressão, transtorno bipolar e é o sintoma definidor de Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), transtorno de pânico e muitas outras condições psicológicas.

8- Problemas digestivos

Um sistema muito afetado pelo estresse e ansiedade é o gastrointestinal. Dores, má digestão, mal-estar no abdômen, diarreia e azia são alguns desses sinais que podem causar incômodo.

Consequentemente, ansiedade excessiva e estresse agudo podem alterar as funções gastrointestinais por meio do sistema nervoso. Como consequência dessas alterações podem surgir úlceras, gastrites, doenças inflamatórias, refluxo gastroesofágico e síndrome do intestino irritável.

Agora que levantamos alguns sintomas, vamos tentar entender o porque a ansiedade pode estar relacionada com o ganho de peso. Nem sempre os dois estão relacionados, mas pode ocorrer. Isso porque episódios de estresse liberam um hormonio chamado cortisol. O cortisol assim como a adrenalina são liberados durante os períodos de estresse, o que significa que também é liberado quando estamos ansiosos.  Os níveis elevados destes hormônios, enganam o corpo que pensa que esta sob ataque (pelo estresse) e precisa de energia. Então sua fome aumenta, fome principalmente de carboidratos para ter rápida resposta de energia para que você possa sobreviver à este estresse. O cortisol também faz com que a gordura se acumule na região abdominal, e é uma das principais razões porque as pessoas estressadas têm dificuldade em manter seu peso. O estresse também reduz os níveis de serotonina do cérebro, e que também pode aumentar sua fome.


A serotonina é muito importante porque ela tem funções relacionadas com o humor, prazer, saciedade, sono. A baixa transmissão dela pode acarretar uma série de problemas. Porém em algumas pessoas a ansiedade pode causar perda do apetite. Então pessoas diferentes podem ter consequencias distintas.

A atividade Física é uma forma bastante benéfica de combater ou minimizar os efeitos oriundos da ansiedade. Pois ela reduz o Cortisol e aumenta a transmissão nao só da serotonina, como endorfina que são hormônios relacionados ao bem estar. Uma atividade física bem orientada pode conter ainda estímulos neurais que aumentam o consumo calórico, e que ensinam o individuo a melhorar o foco, controle da respiração, contribuindo assim para a redução da ansiedade. O controle da respiração por si só já melhora a performance e a entrega de energia, além de ensinar o indivíduo a prestar atenção no presente. A concentração no treino ajuda a esquecer as preocupações e os problemas causados pela ansiedade, o que já é um grande benefício. Mas, para um efeito prolongado, é preciso praticar atividade física regularmente.




4 visualizações0 comentário